Skunk Works, a responsável pelos melhores aviões militares do mundo

Imagine uma empresa que tem uma divisão que trabalha de forma totalmente secreta, desenvolvendo aeronaves militares com tecnologia à frente do nosso tempo. A ideia que facilmente seria base de uma história em quadrinhos é real.

Hoje, você vai conhecer essa empresa, como ela surgiu, o que já fez e as lendas por trás da misteriosa e fascinante Skunk Works.


Logo da Skunk Works


Kelly Johnson comandou secretamente por anos uma organização secreta que funcionava dentro da empresa Lockheed, na Califórnia, EUA. A mesma foi responsável por aeronaves incríveis, que mudaram o rumo da história militar americana e mundial.

Em 1943, Kelly, que já era engenheiro chefe da Lockheed, criou a Skunk Works, uma divisão na empresa que trabalhava no desenvolvimento de aeronaves avançadas para uso militar. O nome se deu pelo fato da organização, que trabalhava de forma confidencial, ser localizada ao lado de uma fábrica de plásticos, onde o mau cheiro da fumaça criada por ela pairava na nova empresa.


Clarence "Kelly" Johnson


Todo o trabalho dentro da Skunk works era mantido de forma totalmente secreta. Os próprios funcionários da Lockheed, onde era sediada a organização, pouco sabiam o que era produzido na Skunk Works.

Funcionários da organização não tinham permissão para revelar, nem aos familiares, onde realmente trabalhavam. Suas vidas pessoais e financeiras eram constantemente investigadas, chegavam a passar por muitas vezes até por detectores de mentiras.


U2, a primeira aeronave espiã


Entre os anos 40 e 50, a URSS desenvolvia sua primeira arma nuclear, desencadeando uma corrida militar frente aos EUA. Os americanos então começavam a nutrir grande interesse sobre o que os soviéticos estavam desenvolvendo. A dificuldade de infiltração de espiões na URSS, o que inclusive justificava o apelido "Cortina de Ferro", faz com que então autorize a empresa que já havia criado outros aviões militares a desenvolver um avião espião, capaz de captar imagens aéreas com grande exatidão e de sobrevoar a uma altura maior a que os mísseis soviéticos alcançassem.


Lockheed U-2


Eis que começa o projeto da aeronave que mais tarde se chamaria U2.

A altitude que era garantia de sobrevivência ao piloto era alcançada principalmente devido ao alívio de peso empregado no projeto. Materiais leves, equilíbrio entre os componentes e até diminuição de trens de pouso foram empregados.

Para a construção e testes do U2, seria necessário um lugar inóspito, onde pudessem ser realizados os testes sem a possibilidade de espionagem.

foi escolhida então uma área isolada, onde costumavam realizar testes nucleares. Neste local havia um segmento, onde situava-se um lago seco extremamente plano, perfeito para as necessidades previstas, o Groom Lake, hoje conhecido como área 51.

Criou-se para a construção e testes do U2 uma "vila de trailers", onde engenheiros, operários e pilotos de testes teriam como lar durante o andamento do projeto. Para manter segredo sobre o local, até as janelas dos aviões que transportava os funcionários era bloqueada durante a viagem.


Em julho de 1955 a aeronave estava basicamente completa. O possível era feito para se manter a confidencialidade dos testes, mesmo assim, a aeronave fora vista por diversas vezes por civis e confundida com OVNI's, principalmente pela altitude até então nunca alcançada por um avião.


Nas primeiras missões da aeronave o sucesso fora alcançado, onde diversas imagens foram obtidas com exatidão, e sem que o U2 fosse alcançado pelos mísseis soviéticos, apesar de, ao contrário do que imaginavam, a aeronave ser descoberta pelos radares da URSS.


Por alguns anos o U2 sobrevoou com segurança em relação aos mísseis soviéticos, descobrindo mísseis em Cuba por exemplo, desencadeando uma crise entre os dois países. Porém a tecnologia soviética empregada nos mísseis já estava sendo desenvolvida a ponto de alcançar a aeronave, fazendo então surgir a demanda de uma nova máquina.


Blackbird, a aeronave mais rápida do mundo


A ideia à partir de então era criar um avião que não só voasse mais alto que o U2, mas que também tivesse velocidade maior que que as alcançadas pelos mísseis.

A nova máquina fora construída basicamente em titânio, que no caso era um material não produzido nos EUA. Para obter o titânio então, a CIA criou uma empresa de fachada que comprava titânio dos próprios soviéticos, sem que eles soubessem do propósito para com o material obtido.

Uma nova tecnologia também fora empregada para que os propulsores pudessem fazer o avião voar a uma velocidade de 3200 km/h.

Novamente os testes seriam realizados na Área 51, onde foi descoberto que a temperatura interna da aeronave caía ao ser pintada na cor preta. Nascia então o Blackbird, aeronave que teve importância notável nas guerras do Golfo e Vietnã.


SR-71 Blackbird


Outras novidades viriam posteriormente como a primeira aeronave construída com tecnologia furtiva, que tornava a mesma à prova de radares, o F-117 Nighthawk.


F-117 Nighthawk

Diversas teorias da conspiração chegaram a ser criadas levantando a tese de que até tecnologia alienígena pudesse ter sido usada nos projetos da Skunk Works, muitas delas alimentadas pelo caráter secreto de seus projetos e principalmente pela falta de tecnologia de ponta empregada no desenvolvimento dos projetos, considerando que os engenheiros chegaram a construir aeronaves como U2 e Blackbird sem nem ao menos usarem computadores.

Hoje, algumas empresas aeroespaciais também possuem divisões especiais equivalentes à Skunk Works, a Boeing por exemplo tem a Phantom Works.

Podemos perguntarem que projeto a Skunk Works estaria trabalhando agora. Talvez em 20 anos teremos tal resposta...



Fontes: https://www.youtube.com/watch?v=bukQbeaP_Cw&t=316s

A Personal Memoir of My Years of Lockheed- R. Rich, Ben/ Janos, Leo

95 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo