Lean Manufacturing, para leigos, gregos e troianos



O Lean Manufacturing, ou Sistema Toyota de Produção é uma filosofia implantada há décadas, gerando lucro, artigos criados por estudiosos em diversas universidades pelo mundo e admiração pelo sucesso de suas ferramentas e resultados no ambiente coorporativo. Ele surgiu pela necessidade de crescimento do Japão pós-guerra, focando na diminuição do desperdício. Mas você realmente sabe como funciona e quais os aspectos dessa cultura industrial? Vamos entender a princípio como essa cultura surgiu e foi evoluindo ao longo dos anos.




A história do Lean Manufacture


Em 1924, Sakichi Toyoda criou uma máquina de tear automatizada, que parava quando algum fio se rompia. Essa máquina permitia tanto que um operador pudesse operar várias máquinas como também evitava defeitos e/ou retrabalhos no produto final. Nascia o conceito Jidoka, onde quando existe uma falha, o sistema para, se descobre a causa e se resolve o problema.


Sakichi Toyoda


Kiichiro Toyoda em 1930, ao retornar dos EUA em uma viagem de negócios, monta na empresa do pai Sakichi, uma sala de estudos com foco na indústria automotiva, até que em 1933 é criada a linha de automóveis na fábrica, lançando seu primeiro carro em 1936. Ao se lançar o primeiro carro da empresa se faz um concurso para definir o novo logo para a marca, onde foi escolhido o novo nome, Toyota. O nome foi escolhido por 3 motivos principais:

-Era um nome mais simples e agradável;

-O nome na língua japonesa era associado à riqueza e boa sorte;

-Conseguia desassociar ao nome da família, criando a visão de que, à partir de então, a empresa dava um novo passo.


Kiichiro Toyoda


É fundada então, em 1937 a Toyota, onde além de ser usado o conceito JIDOKA, se implantava em 1938 o JUST IN TIME, conceito de produção puxada, onde, ao invés de produzir e estocar, aguardando o pedido do cliente, o produto é produzido apenas após o pedido, gerando economia com estoque.


Em 1943 se junta ao time da Toyota Taiichi Ohno, onde alguns anos depois ele implanta na fábrica o sistema KANBAN, implementado e idealizado através dos sistemas de gôndolas existentes nos supermercados americanos, onde ao invés de ter grandes prateleiras com o mesmo produto, eram abastecidos regularmente evitando produção e estoque desnecessários.


Shigeo Shingo entra em 1953, colocando em prática os sistemas POKA YOKE, que evita que o operador faça montagens de forma incorreta e o SETUP RÁPIDO, diminuindo o tempo de preparação de máquinas.


POKA YOKE


Finalmente, em 1988, ao estudar o Sistema Toyota de Prudução, John Krafcik usa pela primeira vez o famoso termo Lean Producion, adaptado posteriormente para Lean Manufacturing, em um artigo usado para seu mestrado no MIT. Mais tarde, em 1991 tem seu artigo usado como base para ser lançado o livro "A máquina que mudou o mundo", onde se explica como funciona a metodologia Lean Manufacturing.


Os princípios do Lean Manufacturing


O Sistema Lean Manufacturing funciona através de 5 princípios, onde são implementadas ferramentas gerando os resultados conhecidos através dessa filosofia:


Valor: Neste princípio se dá atenção ao valor do produto final com foco no cliente, ou seja, se dá ênfase aos padrões de qualidade e no que o cliente espera do produto final.


Fluxo de valor: Eis o momento onde se dá atenção aos processos que vão transformar o input em output, ou que irão transformar a matéria prima no produto final. Neste quesito identificamos as atividades que não agregam valor ao produto final, diminuindo-as ao máximo, evitando o desperdício.


Fluxo contínuo: Neste ponto se dá o devido valor aos gargalos, ou à não existência deles. O fluxo contínuo prioriza a continuidade do processo, com o mínimo de estoque e paradas possíveis, diminuindo o lead time, ou o tempo gasto no processo de produção do produto final.


Sistema Puxado: O conceito de sistema puxado tem como regra produzir apenas após a necessidade do cliente, ou seja, ao invés de produzir e estocar, para aguardar a necessidade futura do cliente, se produz o produto quando o cliente o solicita e na quantidade solicitada, diminuindo custos com estoque e produção desnecessária.


Perfeição: No princípio da perfeição, a mesma não necessariamente é alcançada, mas ela é buscada sempre, através das técnicas e ferramentas de melhoria contínua. Isso faz com que a cada dia a empresa produza melhor, mais rápido e atingindo com mais facilidade a qualidade desejada.


Concluindo, deve-se salientar que o Lean Manufacturing deve ser sempre encarado como uma cultura, algo contínuo, e não um projeto que tem começo e final. Os resultados dessa metodologia são mais facilmente obtidos quando se tem foco no GEMBA, ou no lugar onde as coisas acontecem, onde o produto final é produzido. Outro aspecto muito importante é que, já que o Lean Manufacturing é uma cultura, o foco nas pessoas, no seu crescimento e na importância de suas ideias deve ser sempre valorizado.


Fontes: https://pt.wikipedia.org/wiki/Sakichi_Toyoda

https://pt.wikipedia.org/wiki/Kiichiro_Toyoda

https://www.youtube.com/watch?v=D549XycrQmM

https://administradores.com.br/artigos/resenha-do-livro-a-maquina-que-mudou-o-mundo




72 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo